Marcos é expulso do Big Brother Brasil 17, após agressão a Emilly

Marcos é expulso do Big Brother Brasil 17, após agressão a Emilly

Compartilhar
Movimento nas redes sociais passou a exigir a eliminação de Marcos da disputa do Big brother Brasil 17 e a imediata expulsão do candidato da casa após a exibição das cenas nas quais ele coloca o dedo na cara de Emilly, impede ela de falar e segura o braço da participante com força. As imagens foram captadas neste sábado, durante noite de disputa pela liderança do confinamento em prova vencida pela candidata.

Em um dos vídeos postados pelos internautas, Marcos segura o braço de Emilly enquanto tenta falar com ela. A sister chega a dizer “Marcos, Marcos, está doendo”, enquanto ele exige “Escuta”. Em um outro vídeo em circulação pela web, o brother encurrala a companheira na parede e a impede de sair enquanto esbraveja. Ele cala Emilly com gritos de “presta atenção” e coloca o dedo sobre a boca da interlocutora, agora silenciada. Em seguida, ele afirma “você tem que ficar comigo independentemente de quem eu ache que tem que ganhar”.

As cenas foram interpretadas como atos de machismo nas redes sociais porque Marcos impede a colega, mulher, de ter voz e tenta prevalecer diante dela com a força física – em vez de usar argumentos. A hashtag #marcosexpulso dominou o Twitter com usuários revoltados com o comportamento do participante.

Após encurralar e intimidar Emilly em discussão no último final de semana, o cirurgião plástico Marcos teve uma ocorrência registrada contra si na Delegacia de Atendimento à Mulher (DEAM) de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. A diretora da Divisão de Polícia de Atendimento à Mulher do Rio (DPAM), Marcia Noeli Barreto, determinou o registro de ocorrência após tomar conhecimento da briga.

O caso será acompanhado pela delegada do DEAM, Viviane da Costa Ferreira Pinto, que irá solicitar à Globo as imagens da confusão.

– Tão logo as imagens estejam em poder da delegacia, as pessoas envolvidas serão intimadas a depor, e a Emilly será encaminhada para o exame de corpo de delito. Por enquanto, o caso está sendo tratado como tortura psicológica, que é considerada violência doméstica e se enquadra na Lei Maria da Penha. Ele não a ameaçou de morte, mas houve forte constrangimento – explicou Marcia Noeli.