Governo do Estado e Ufba fortalecem ações afirmativas e políticas para segmentos...

Governo do Estado e Ufba fortalecem ações afirmativas e políticas para segmentos tradicionais

Compartilhar
Ações integradas para a população negra e o segmento dos povos e comunidades tradicionais serão intensificadas a partir de um Termo de Cooperação Técnica envolvendo o Governo do Estado e a Universidade Federal da Bahia (Ufba). O acordo assinado nesta quarta-feira (19), em Salvador, pelos titulares das secretarias de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) e de Desenvolvimento Rural (SDR), Fabya Reis e Jerônimo Rodrigues, respectivamente, além do reitor da instituição de ensino, João Carlos Salles. O evento contou com a presença de docentes e representantes de diversos setores acadêmicos.
A secretária da Sepromi afirmou que a ação está em consonância com as orientações do Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa da Bahia. “A medida é fundamental para consolidarmos políticas públicas de reparação ao povo negro e aos povos e comunidades tradicionais, com as contribuições de uma universidade que é referência para o Brasil. Trata-se de uma parte significativa do esforço para combatermos o racismo institucional e a falta de oportunidades históricas que atinge estes segmentos”, destacou Fabya Reis.
A gestora ressaltou ainda que a formalização do acordo renova as parcerias já constituídas com a Ufba, a exemplo da participação na Rede de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa do Estado da Bahia e ações desenvolvidas junto a quilombos, terreiros, marisqueiras, fundos e fechos de pasto, entre outros segmentos. Outro avanço citado pela secretária foi a aprovação da política de reserva de vagas, em 30%, para candidatos negros nas seleções voltadas aos cursos de pós-graduação, medida aprovada em janeiro pelo Conselho Acadêmico de Ensino (CAE).
Já o secretário de Desenvolvimento Rural destacou a diversidade presente no meio rural baiano, onde vivem cerca de quatro milhões de pessoas, com um número expressivo de povos e comunidades tradicionais e assentamentos de reforma agrária. A SDR, de acordo com Rodrigues, tem a responsabilidade de valorizar a identidade do rural baiano, de uma população que produz e cuida do meio ambiente. “Um Termo de Cooperação Técnica dessa magnitude, com certeza, desdobrará em ações importantes para a população rural e, mais especialmente ainda, para os povos e comunidades tradicionais”, pontuou.
Espaço de resistência e inclusão 
Para o reitor da Ufba, João Carlos Salles, “com este ato, sem dúvidas, a universidade justifica a importância da sua existência, já que representa valores universais, a possibilidade dos diálogos e entendimentos. Também é um espaço de combate a todas as formas de discriminação e exclusão. A universidade é, portanto, um local de resistência e criação de oportunidades”. Também participaram do evento o vice-reitor Paulo Miguez, e a pró-reitora de Ações Afirmativas, Cássia Bastos, além da coordenadora da Coordenação de Desenvolvimento Agrário (CDA/SDR), Renata Rossi, coordenadores e técnicos da Sepromi.
 
Mais sobre a parceria 
A cooperação firmada integra a agenda da Década Internacional Afrodescendente na Bahia (2015-2024). Ela reforça ainda mais a atuação da Ufba nas políticas públicas e educacionais para o povo negro, através da ampliação e fortalecendo dos temas no ensino, pesquisa e extensão; projetos inovadores e metodologias que possibilitem a inserção social da população negra e dos povos e comunidades tradicionais; formação de discentes e docentes dos cursos de graduação e pós-graduação com o conteúdo de promoção da igualdade étnico-racial e combate às violações de direito das comunidades negras; entre outras medidas.